Cash - a autobiografia

29 novembro 2013

Não sou uma pessoa de biografias, aliás tenho pouquíssimas na minha estante, talvez um pouco por falta de costume de compra-las, outras tantas por achar erroneamente que biografias dizem o que já sabemos (ou achamos que sabemos). 


Cash a Autobiografia
Johnny Cash e Patrick Carr
LeYa
2013
246 págs
Este livro foi cedido pela editora como cortesia

Quando pensei em ler Cash, a autobiografia, a escolhi por dois motivos simples, 1. precisava ler mais biografias, depois que dei conta do quão pouco estou ambientada com este tipo de literatura, e 2. Cash se tornou um ícone pop, ou seja queria saber mais sobre ele. 

Johnny Cash morreu em 2003 aos 71 anos, mas pousa sobre ele uma aura cult, uma aura pop, uma aura de bad boy rockstar, afinal ele era o "man in black". Muitos cantores regravaram suas músicas, declararam ser seus fãs, e acima de tudo isso, foi lançado um filme sobre seu relacionamento com June Carter, sua segunda (e até o fim de sua vida) esposa. 

Além de toda uma história fantástica como ícone da música country, mais recentemente e portanto, mais próximos da maioria dos mortais da minha idade ou um pouco mais velhos viram e ouviram que Johnny Cash gravou com ícones jovens do rock dos anos 90, como Flea do Red Hot Chilli Peppers, regravou canções do Soundgarden e Beck, a sua regravação da música Hurt, originalmente do Nine Inch Nails, foi indicada a 7 prêmios no MTV Music Awards. Tudo isso para explicar que além de Cash ser um ícone da música country americana, ter uma história longa desde o começo de sua carreira no final dos anos 50, no final de sua vida, num ressurgimento nos anos 90, se tornou "pop" entre muitos roqueiros dessa época. 


Johnny Cash
Claro, que tudo isso é merecido, pelo menos aqueles que gostam de suas composições e canções acham. Porém esta autobiografia não está necessariamente centrada nas conquistas de Cash, por se tratar de uma autobiografia, co-escrita com Patrick Carr, Cash vai nos levando ao longo de sua vida, dividindo conosco momento de sua infância até quase o fim de sua trajetória. 
 
O livro é todo narrado em 1º pessoa, é o próprio Cash quem escreve e narra a sua vida, porém o livro não possui uma ordem cronológica, é um eterno vai e vem no tempo, o que pode ficar um pouco confuso, mas torna o livro como um ótimo bate-papo. 
 
Foi escrito em 1997 e narra sua infância nos campos de algodão de Arkansas, seu estado natal, relata sua experiência com a guerra e sua estadia no exército. Divide suas andanças pela estrada, suas amizades com Roy Orbinson, Elvis Presley, e muitos outros ícones do rockabilly e country dos Estados Unidos. 

Divide conosco também sua experiência complexa com as drogas, o quanto isto o afetou e também a sua carreira, compartilha de sua fé e do quão ambíguo possa nos parecer a figura de um Cash que canta músicas gospel junto com seu country, professa sua fé cristã, mas passa dias sob o efeito das anfetaminas. Mas, acima de tudo isso está a  sua relação com sua segunda esposa, que permaneceu assim até o fim de sua vida, June Carter. 
 
June Carter e Johnny Cash
Eu diria que este livro trata-se de uma ótima conversa com Cash, esse é o tom aqui, de um bate-papo descontraído, de uma pessoa que já vivenciou muita coisa e compartilha conosco suas experiências pessoais e profissionais, quem nunca sentou com um avô ou um tio mais velho e ele começou a lhe a contar suas histórias ? É o que Cash faz brilhantemente conosco neste livro, contando seu ponto de vista, seus pensamentos e aventuras no mundo da música e da vida como um todo.

 até mais!

16 comentários:

  1. Você me fez realmente ter vontade de ler este livro, mesmo depois de sentir o "boom" quando todos falaram. Ah, eu gosto de biografias e narradas em primeira pessoa então! Ainda mais sendo Cash. Uau!
    otima resenha!
    beijão!

    ResponderExcluir
  2. Sou fã do Cash, da Carter e bem antes do filme.. rs
    E se antes a vontade de ler sua autobiografia era grande, agora então, ela é blaster, Mel!!
    Valeu por me instigar ainda mais!! ;oD

    Xerinhos, lindeza!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Paty !!! Espero suas impressões sobre o livro !
      bjos

      Excluir
  3. Parabéns por essa bela resenha, Melissa! Sempre quis ler essa biografia, mas ainda não consegui colocar minhas mãos nela... :)

    ResponderExcluir
  4. Que bom saber disso Mel! Fiquei interessada, gosto de biografias assim mais despretensiosas, como um bate papo... E um bate papo com "o cara" não é bom perder né?
    Beijão!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey Tati !! O livro é bem tranquilão para ler, gostei bastante!! bjoss

      Excluir
  5. Melissa, adorei a resenha!
    Não sou muito de ler biografias mas as de músicos sempre me interessam! Vou querer ler essa o quanto antes :D

    Beigos!

    ResponderExcluir
  6. Mel, tô doida pra ler esse livro!
    Sou apaixonada por Cash e por enquanto só li a biografia dele em quadrinhos, que é incrível!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi!
      Poxa não conheço a bio dele em quadrinhos, vou procurar!
      bjos

      Excluir
  7. Eu vi que você tinha postado resenha sobre essa biografia e fiquei me roendo de vontade de vir espiar, mas fiquei repetindo o mantra "você tem um trabalho a entregar, você tem um trabalho a entregar"...rs. Agora que cumpri meu objetivo, vim conferir.
    Eu comecei a prestar atenção no Cash por causa do filme. Achei sua história incrível e passei a ouvir mais atentamente suas músicas. Lógico que quero ler essa biografia! E acho que o tom de bate-papo é um ponto positivo.
    beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi!
      Também prestei atenção nele depois do filme, antes mal conhecia, e adorei saber mais da história dele !
      bjos

      Excluir
  8. Oi, Melissa! Que legal que você decidiu ler biografias e começou logo pela do JR! Famoso Man in Black, cujas canções rodam o mundo e influenciaram - e ainda influenciam - grandes nomes do rock e do country. Livro maravilhoso, sincero e cheio de curiosidades sobre outros grandes nomes da música, além do que ele não se poupou em momento algum ao contar sua vida. Um homem intenso, sincero, meio louco e meio sábio, mas com muita alma em tudo o que fazia, até quando fazia besteira. Parabéns pela leitura e também pela resenha. Bio são importantes, por que nos ajudam a entender como as pessoas se tornaram quem são e o quanto, sendo celebridades ou não, somos todos humanos e sujeitos a tropeços, dores, erros, perdas.
    Abraço para você, gostei muito de seu blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Laura ! Obrigada pela visita!
      E agora quero ler mais biografias, de uma forma mais constante.
      bjos

      Excluir

Olá ! Obrigada pelo comentário, ele será respondido aqui mesmo, ok!?
Obrigada pela visita e até mais!

 
FREE BLOGGER TEMPLATE BY DESIGNER BLOGS