Resenha: O Retrato de Dorian Gray - Oscar Wilde [Globo Livros]

08 julho 2013

É a segunda vez que leio O Retrato de Dorian Gray e por incrível que pareça não parece que foi uma releitura, porque na verdade realmente não foi.



O Retrato de Dorian Gray
Edição Anotada e Sem Censura
Oscar Wilde 
Organizador Nicholas Frankel
Globo Livros - Biblioteca Azul
351 páginas

O Retrato de Dorian Gray é um dos livros que mais adaptações já ganhou, por isso sua história é famosa. Dorian Gray um jovem dotado de uma beleza extraordinária que é capaz de encantar a todos, torna-se a inspiração de um pintor, Basil Hallward, que passa a idolatrar a imagem de seu "muso" inspirador e através de sua influência e beleza cria a sua melhor obra, um quadro que retrata toda a beleza de Dorian Gray.

É através de Basil que Dorian conhece Lorde Henry Wottom, amigo que irá influencia-lo por toda a vida. Lorde Henry Wotton, um aristocrata da sociedade britânica resolve mostrar ao rapaz o quanto a sua beleza e juventude devem ser aproveitadas, já que o que importa segundo ele, é a busca incessante pelo prazer, sem se importar com as causas ou a forma como se faz essa busca, ou seja pecados, culpas e remorsos não existem. Henry é um personagem extremamente sarcástico, irônico e até certo ponto inconsequente com o que fala. E é justamente nesse primeiro encontro com Henry que Dorian se depara com seu quadro, o qual o revela toda a sua beleza e juventude. Beleza e juventude essa, que o inspira a fazer um pedido, que o quadro envelhecesse em seu lugar e ele pudesse permanecer jovem e belo para sempre. 

"Como é triste! - murmurou Dorian Gray com os olhos ainda fixados no retrato - Como é triste! Vou ficar velho, feio, desprezível. Mas este retrato ficará jovem para sempre. Nunca mais será velho do que neste dia de junho… Se simplesmente fosse o contrário! Se eu permanecesse jovem para sempre, e o quadro envelhecesse! Por tal coisa - por isso - eu daria tudo! Sim, não há nada no mundo que eu não desse!" (pgs. 116-117)

Henry se torna uma influência importantíssima na vida de Dorian e a partir daí, deixa de ser um jovem tímido para ser um rapaz que busca incessante e inconsequentemente o prazer, utilizando de todos os meios, principalmente sua beleza para alcançar o que almeja. Sem pensar nas consequências, Dorian passa a viver a vida, fazendo o que quer com tudo e com todos até o surpreendente final. Com toda certeza você não ficará alheio a qual seja o sentimento que surja sobre Dorian. 

"Não existe boa influência, senhor Gray. Toda influência é imoral – imoral do ponto de vista científico. (...)

Porque influenciar uma pessoa é lhe dar nossa própria alma. Ela deixa de pensar seus pensamentos naturais ou arder com suas paixões naturais." (pg. 107)

É interessante a discussão que Wilde propõe neste livro, a superficialidade dos conceitos pessoais em relação aos outros, onde tudo que importa é aparência. O julgamento e controle social, a discussão incessante entre o bem e o mal, o moral e o imoral e até onde uma pessoa consegue ir para satisfazer seus desejos são discutidos ao longo de todo livro. E ainda Wilde propõe também a possibilidade do amor entre dois homens quando insinua um relacionamento entre os três personagens principais.

É um livro ácido e moderno, questiona valores, e além disso discute até que ponto uma pessoa é capaz de influenciar outra e lhe modificar o caráter. É fantástico!



A edição.

Esta edição da Globo Livros representa a versão original entregue por Wilde ao editor da Lippincott's Monthly Magazine, a qual havia encomendado um romance ao autor. 

Em qualquer versão que seja lido, esse livro nitidamente traz insinuações e referências a um relacionamento entre as três personagens principais de caráter homoafetivo, Dorian Gray, Lorde Henry Wottom e Basil Hallward. Ao entregar a primeira versão deste livro à revista, o editor faz uma série de modificações na estrutura original do texto, publicando-a diferente do que Wilde havia então escrito, cortes de frases, palavras e mesmos modificações na estrutura de frases e diálogos foram feitas.  Obviamente as insinuações que Wilde fez eram bastante ousadas para sua época. 

Além do romance homossexual sugerido no livro, as corrupções morais de Dorian que vão sendo relatadas ao longo da história, bem como suas relações com mulheres, as quais tornam-se suas amantes ou aos menos é insinuado como tal, foram censuradas pelo editor da Lippincott's

Estamos aqui falando da Inglaterra do final do século XIX, extremamente moralista e perseguidora. Vários casos descobertos na alta sociedade londrina de relações homossexuais "assombravam" os ingleses durante esse período, a ponto de se tornar crime, passível de prisão, ser pego em "flagrante indecência" levava a 2 anos de cadeia e trabalhos forçados, o que infelizmente veio a acontecer com Oscar Wilde. 


Daí podemos compreender o porque o livro inicialmente foi censurado pelo editor da revista e posteriormente quando lançado em livro, foi editado pelo próprio Oscar Wilde que manteve vários dos cortes feito na Lippincott's, justamente pelas duras criticas e insinuações feitas a ele próprio e ao livro por jornalistas, críticos e leitores. E o que lemos hoje na maioria das edições é essa versão final de Wilde editada e acrescida de outras passagens que não haviam no manuscrito original. Fato é, que esta versão é muito mais incisiva e direta ao indicar as relações homossexuais da personagem principal ou seja, os romances que envolviam Lorde Henry Wottom e Basil Hallward com Dorian Gray. É uma oportunidade inédita ler esta versão do livro, tendo em vista que temos a chance de conhecer qual era a ideia inicial de Oscar Wilde. 

O livro traz uma introdução geral e uma textual, que nos coloca na Inglaterra do século XIX, mostrando as influências de Oscar Wilde e o contexto histórico em que foi escrito, além de muitas anotações ao longo dos capítulos que, também trazem comentários dos mais variados acrescentando informações ao conteúdo. 

Como eu já disse, já havia lido este livro uma vez, mas a minha experiência foi completamente diferente, principalmente em razão de toda a contextualização que esta edição proporciona. Conhecer as influências de Wilde, o contexto histórico da Inglaterra e do próprio autor é uma experiência enriquecedora e inigualável que nos faz compreender de forma completamente diferente O Retrato de Dorian Gray. 

Todos deveriam ler este autor fantástico que não só superou sua época com um livro incrível e uma história polêmica, mas que como já disse em outro post, vale a pena principalmente para conhecer um pouco mais sobre este homem que desafiou seu tempo, sua sociedade e decidiu viver segundo suas próprias convicções. 



Wilde é fantástico sempre em qualquer situação.






Até mais!


25 comentários:

  1. Vou causar polêmica e dizer que não gosto de "O retrato de Dorian Gray". Já li 2 vezes (1 em português e 1 em inglês) e não consigo morrer de amores pelo livro. Sem dúvida, a história é interessante, mas não sei... há algo na escrita que me desagrada. Se bem que essa edição linda que você leu deve oferecer uma outra experiência. Dá até vontade de encarar a leitura mais uma vez ;)
    beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha Michelle, 'magina, eu não sou daquelas que surta quando alguém não gosta de livros que eu gosto, sem problemas, mas essa edição é bem diferente, comparo com a outra que li.
      bjos

      Excluir
    2. Concordo com vc Michelle nao gostoei muito não!

      Excluir
  2. Ótima resenha, Melissa! Eu nunca li esse livro, sempre coloco ele na pilha e nunca me animo, mas tenho que lê-lo, é obrigatório! =) Bj!

    ResponderExcluir
  3. Uau, que resenha excelente, Melissa!!!
    Eu nunca li esse livro, tenho a edição da Clássicos da Abril e uma vontade imensa de lê-lo, fiquei com mais interesse após sua resenha, espero que o leia em breve ^^

    Beigos!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o post! Como a Michelle bem comentou, essa nova edição de ‘O Retrato de Dorian Gray’ deve trazer outra experiência. Já estava desejando a edição... Depois do post, necessito, rs.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. O livro deve ser muito bom mesmo! Quero ler, com certeza!

    Adorei a resenha.

    Ainda não me animei em reler algum livro. Será que um dia vou conseguir fazer isso?

    http://meuslivrosesonhos.blogspot.com.br/2013/07/resenha-premiada-anjo-de-quatro-patas.html
    *Ficarei feliz com uma visita sua ao meu blog.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. já ouvi falar desse livro, mas nunca li...
    pela resenha parece ser bem bom! :}
    seguindo aqui, beeeijos!
    http://diariodeumuniversoparalelo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Que resenha fantástica! Bem completa. Li O retrato de Dorian Gray uns anos atrás e sinceramente não sei bem o que pensar do livro até hoje - eu gostei, mas fiquei com aquela sensação chata de que não entendi tudo...

    ResponderExcluir
  8. Eu li esse livro lá pra 2009 e senti que não entendi a obra como um todo. Agora quero essa edição linda.
    Ótimo texto!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Já li essa história duas vezes, mas é claro que leria uma terceira, só para poder ter acesso ao texto realmente escrito pelo Wilde, pôxa... Se eu não tivesse comprado demais, além da conta, tanto livro esse mês, ia correndo atrás dessa edição, depois da sua resenha! =D

    ResponderExcluir
  10. Ah, essa edição da Globo é linda, vi ela hoje na livraria. Já li esse livro na faculdade e apresentei ele em um seminário, sabia que era uma edição com alguns cortes e tal. Eu gostei do livro, mas não achei tão sensacional e revolucionário como algumas pessoas.

    Bjs, @dnisin
    www.seja-cult.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise, cada um se envolve com o livro de uma forma, é normal! :)
      bjos

      Excluir
  11. Melissa!! Foi com esse livro que inaugurei o clube de leitura que encabeço aqui em Santa Maria! TOP, TOP, TOP! Nada a comentar e tudo a comentar. heheh

    Preciso urgentemente comprar essa edição da globo Livros... pois a que eu tenho é aquela de capa de tecido da Editora Abril, que deixa a desejar um pouco quanto à tradução.

    :)
    Bjo, Cami.
    Companhia de papel

    ResponderExcluir
  12. Honestamente, eu nunca li o romance, eu aprendi a história de adaptações para o cinema que eu vi, ojajlá breve ser capaz de comprar o livro, este post interessante sobre o outro lado. Fez-me lembrar da marca nova série chamada Penny Dreadful, uma história que lida com a origem de personagens literários clássicos como Dorian Gray e Dr. Frankenstein, a verdade é muito bom.

    ResponderExcluir
  13. Estou louco para ler essa edição, até a comprei na Amazon, mas a edição veio com defeito, umas 12 páginas não foram impressas e estão em branco. O problema é que agora não encontro mais o livro, está esgotado na Amazon e em outras livrarias online. Tristeza. :(

    ResponderExcluir
  14. Estou louco para ler essa edição, até comprei um exemplar na Amazon, mas veio com defeito, com algumas páginas não impressas. o problema é que agora o livro parece estar esgotado na maioria das lojas online. Tristeza. :(

    ResponderExcluir

Olá ! Obrigada pelo comentário, ele será respondido aqui mesmo, ok!?
Obrigada pela visita e até mais!

 
FREE BLOGGER TEMPLATE BY DESIGNER BLOGS