Resenha : Variedades da experiência científica - Carl Sagan

10 janeiro 2013

Bom, esta não é provavelmente um daqueles livros comuns em resenhas de blogs que falam sobre livros, mas eu gosto muito daqueles que possibilitem também discutir ideias e conceitos um tanto quanto fora do mundo literário comum. E é nessa categoria que este livro se encaixa. 




Minha edição : Variedades da Experiência Científica: uma visão pessoal da busca por Deus
Editora : Cia das Letras
302 páginas

Para que não conhece o autor, Carl Sagan foi um cientista, astrônomo  e principalmente um importante divulgador científico. Nascido nos Estados Unidos em 1934 e falecido em 1996 devido a um câncer, Carl deixou um legado de mais de 20 livros de ciência e ficção científica (Contato - o filme Contato é baseado em uma história originalmente escrita por ele). 





Ele foi um grande defensor do ceticismo, e como ateu criticou por diversas vezes a influência da religião dentro das questões científicas. Uma das "obras" mais famosas dele foi a série Cosmos exibida nos EUA nos anos 80, foi uma produções precursoras na utilização de mídias audiovisuais para discutir e informar sobre questões da ciência. Juntando com a personalidade simpática de Carl o programa foi um sucesso. 

               Afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias 
                                         - Carl Sagan


Não estamos aqui exatamente para falar sobre o Carl, mas sobre um dos livros dele.

Este livro em questão é uma obra póstuma, editada pela esposa de Carl, Ann Druyan. Ela transcreveu uma série de palestras dadas por Carl na Universidade de Glasgow, num evento conhecido como Palestras Gifford, onde se discutiam "teologia natural" (seja lá o que for isso). Ele era convidado para discutir o "outro lado da moeda" e fez isso durante anos. Dez anos após sua morte "Variedades da Experiência Científica: Uma visão pessoal na busca por Deus" foi lançado, ou seja em 2006, como um compilamento dessas palestras.

O livro é uma leitura fácil, descomplicada, sem conceitos muito complexos que não permitam entende-los mesmo que trate de assuntos não tão simples assim. Talvez por ser transcrições de palestras, o texto seja mais simples por se tratar do dialogo que Carl gerava com sua platéia provavelmente de pessoas que não eram profissionais da temática em questão, astronomia e assuntos relacionados. 

Ao meu ver as palestras mais interessantes são "Natureza e deslumbramento: um reconhecimento do céu", onde ele discute sobre os fenômenos do universo e como a Terra, nem nossa galáxia, possuem posições privilegiadas ou especiais dentro desse universo infinito. Carl defende que não "há um relacionalmente especial entre nós e o universo", ele não foi feito para nós e nem somos a sua parte de destaque. O capítulo 2 discute sobre como projetamos a nós mesmos no Universo, dando continuidade a ideia de que não somos especiais como queremos acreditar. Diversos outros conceitos são discutidos, como vida extraterrestre, a existência de Deus, a experiência religiosa etc. Assuntos são vários que nos fazem pensar e raciocinar de verdade, sem fantasias, sobre o mundo que vivemos e o universo no qual estamos inseridos. 

Recomendo muito este livro, mesmo que você seja teísta e não concorde com as opiniões de Carl, mas devemos olhar ambos os lados se quisermos ter um conhecimento sólido, certo?

      "Assim a história da ciência - especialmente a da física - é um pouco uma tensão entre a tendência natural de projetar nossa experiência cotidiana no universo e a discordância do universo dessa tendência humana" (pag 55).

      "E então imaginávamos que pelo menos, talvez, nossa galáxia, estivesse no centro de todas as outras galáxias, todos aqueles muitos bilhões de outras galáxias. Mas as ideias modernas indicam que o centro do universo não existe, pelo menos não no espaço tridimensional comum, e certamente não estamos nele". (pag 57)


  "Então, a própria evolução foi uma descoberta ainda mais inquietante, porque pelo menos se esperava que os seres humanos fossem distintos do resto do mundo natural, que tinhamos sido colocados especificamente aqui de um jeito diferente, por exemplo, das petúnias. Mas a obra histórica de Darwin mostrou que éramos muito provavelmente parentes, no sentido evolutivo, de todas as outras bestas e plantas do planeta. E ainda tem muita gente profundamente ofendida com essa ideia". (pag 59)


    "(...) E, embora haja claramente algumas diferenças entre, por exemplo, mim e um fungo amebóide, em termos básicos somos parentes extremamente próximos. A lição é, não julgue um livro pela capa. No nível molecular, somos todos praticamente idênticos". (pag 87)


Eu acredito em livros que são bons o suficiente para nos desafiar intelectualmente, esse é um deles. 

PS: E aqui vai minha primeira promessa cumprida na minha lista dos meus Desafios Literários, ler um livro sobre divulgação científica/ciência. Yay!!!!


Até mais !





3 comentários:

  1. Poxa
    Gostei o estilo do livro, quase nunca leio coisas assim!
    Beijos
    Rizia - Livroterapias
    http://livroterapias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Não conheço muito do trabalho dele, mas é, no mínimo, interessante. É sempre bom conhecermos os lados da moeda.

    Beijos

    M&N | Desbrava(dores) de livros

    ResponderExcluir
  3. Sou fã do Sagan!
    Magnífico;sensível enquanto cientista e escritor!
    Ele parecia ter uma ligação profunda com o universo,como se tivesse sido um ser extraterrestre,que veio a terra nos ensinar um pouco sobre como devemos nos enxergar-insignificantes no universo.

    ResponderExcluir

Olá ! Obrigada pelo comentário, ele será respondido aqui mesmo, ok!?
Obrigada pela visita e até mais!

 
FREE BLOGGER TEMPLATE BY DESIGNER BLOGS